TRADIÇÃO D’OUTROS TEMPOS: DIA DA ESPIGA!

Advertisements

Hoje, celebra-se a Festa da Ascensão (ou Quinta Feira da Ascensão), uma festa marcadamente Católica, que encerra o capítulo dos 40 dias após a Páscoa, sendo feriado municipal em muitos concelhos deste nosso Portugal.

Também neste dia, celebra-se o Dia da Espiga, uma tradição de outros tempos. Reza a história pelos Rituais pagãos, com especial enfoque nas culturas célticas e romanas, se traduz numa celebração das primeiras colheitas, e pedido de quantidade e qualidade destas.

Neste dia, de manhã cedo, era tradição os rapazes e raparigas irem para o campo e prados apanhar a espiga e flores campestres. Construíam os seus ramos com espigas de trigo, rosmaninho, malmequeres e folhagem de oliveira, podendo incluir centeio, aveia, margaridas, pampilhos e papoilas. Em seguida, os ramos eram guardados ao longo do ano, pendurado algures dentro de casa ou atrás da porta de entrada, repetindo-se a tradição no ano seguinte.

Na crença do povo a espiga proporcionava felicidade e abundância no lar. Na verdade, existe uma simbologia por detrás das plantas colhidas do ramo de espiga:

  • Espiga: simboliza que houvesse sempre pão, isto é, que nunca faltasse comida, por outras palavras, que houvesse abundância em cada lar.
  • Folhas de Oliveira: símbolo de paz (daí a pomba da paz com um ramo de oliveira no bico) e que jamais, faltasse a luz pois nessa altura as pessoas alumiavam-se com lamparinas de azeite.
  • Flores (malmequeres, papoilas e outras): símbolo de alegria através da cor das flores, o malmequer, como símbolo de ouro e prata, a papoila, como amor e vida e o alecrim, como “trazedor” de saúde e força.

Nos dias de hoje, esta tradição ainda permanece em algumas aldeias e vilas de Portugal e são as crianças do ensino primário, quem são os protagonistas de manter viva, a tradição. Também neste dia, nas grandes cidades, e em algumas ruas da capital lisboeta encontrar-mos “vendedeiras” de ramos de espiga, pessoas cujas raízes culturais fogem aos tais costumes do meio rural, acredito que atraídas pela própria beleza que os ramos apresentam.

Da minha parte, desde pequeno que acho imensa piada a este dia. Creio que pela magia de ir para os campos, a correr e saltar, procurar as melhores e mais bonitas flores campestres (a meu ver, as mais bonitas), já para não falar dos cheiros e sensações do campo. E tu, também vais à espiga neste dia ou tens por hábito comprar o ramo já feito?

O que achas e pensas desta tradição? Conheces outra semelhante ou com a mesma simbologia? Conta-nos tudo nos comentários.

Beijos&Abraços,

 

Luminárias de São José, acontece a 19/Março!

Advertisements

Fonte da foto: JRO-Jornal Região Oeste.

Luminárias de São José, uma tradição com mais de um século de existência.

A 19 de março, festeja-se o dia de São José, ou o dia do Pai! É pois, neste dia, que se volta a cumprir uma tradição com mais de um século de existência, as  Luminárias de São José voltam às ruas da aldeia do Carvalhal do Município do Bombarral.

A “lenda” diz, que esta tradição remonta à última década do século XIX, altura em que o padre da localidade sugeriu à população que iluminasse as ruas com cascas de caracóis, a 19 de março, para acompanhar a procissão, em Dia de São José.

Fonte da foto: Arquivo JRO-Jornal Região Oeste.

Depois de alguns anos de interrupção, esta prática foi retomada em 1969 por intermédio do então Prior Padre José Miguel Ferreira de Moura. As interrupções havidas no decorrer destes 50 anos, verificaram-se devido a condições climatéricas adversas à realização do evento.

Fonte da foto: José Manuel Vieira.

Fonte da foto: José Manuel Vieira.

Este evento é organizado pela Junta de Freguesia do Carvalhal e pela Irmandade do Santíssimo Sacramento, contando com a colaboração da Sociedade Filarmónica Carvalhense.

A iniciativa abre, como é hábito, com a celebração da Missa em honra de São José.

Este ano, a celebração da missa ocorre pelas 20 horas, na Capela do Santíssimo Sacramento do Carvalhal (pormenores mais à frente neste artigo), presidida pelo Reverendo Prior Padre José Luis Guerreiro, prior do Santuário do Senhor Jesus e São Pedro do Carvalhal.

Fonte da foto: José Manuel Vieira.

Segue-se a Procissão pelas ruas da aldeia, com as imagens de São José e de Nossa Senhora das Dores, acompanhada pela banda da Sociedade Filarmónica Carvalhense.

No final da Procissão, decorrerá no Salão Nobre da Sociedade Filarmónica Carvalhense um convívio, para a qual toda a população está convidada. Serão também atribuídos prémios às duas melhores decorações da noite.

Interior da Capela do Santíssimo Sacramento – Carvalhal, Bombarral. Fonte foto: Olavo Daniel Pereira.

A Capela quinhentista do Santíssimo Sacramento, foi fundada no século XVI pela Rainha D. Leonor, fundadora do Hospital Termal de Caldas da Rainha. Num largo, centrado por um cruzeiro, o templo de três naves, da ordem toscana, ampliado e reconstruído no século XVII com o interior totalmente revestido a azulejos seiscentistas de tapete. 

O nosso Portugal tem tradições e gentes fantásticas. Já conhecias ou tinhas ouvido falar desta tradição?

Espero que tenhas gostado deste artigo e te tenha inspirado, para celebrares o Dia do Pai, de forma diferente! Comenta e Partilha com os teus amigos nas redes sociais.

Encontra o +vaidoso da blogosfera no Facebook e no Instagram, bem como no site.

Beijos&Abraços!